Acontecimentos

Pesquisadores descobrem anfíbio que fica ‘vermelho de raiva’

Elas são verdes, mas, quando estão com raiva, ficam vermelhas em menos de 2 minutos.
Essas variações são sutis e ocorrem, na maioria das vezes, entre cores semelhantes. Por isso o espanto de pesquisadores capixabas ao perceberem que juvenis da pererequinha-das-folhagens (Phasmahyla exilis) eram capazes de migrar de um tom de verde para a coloração vermelha em menos de dois minutos.

Tudo começou em janeiro de 2019 quando um grupo de biólogos e graduandos em biologia faziam uma visita à campo na Estação Biológica de Santa Lúcia, no Espírito Santo. A área preservada de Mata Atlântica é ideal para a observação de répteis e anfíbios, mas segundo a estudante Leticia Watanabe, de 23 anos, o encontro com a espécie foi algo especial.

“Ouvimos uma vocalização diferente e começamos a procurar por algum anfíbio. Todo mundo ficou super animado e encantado quando encontramos juvenis da pererequinha em cima das folhas. Essa é uma espécie bem rara de ser vista”.

Durante a observação dos jovens, que tinham apenas um centímetro e meio de comprimento, a mudança de cor logo foi notada. “Todas as vezes que manuseávamos os animais eles mudavam de cor de maneira muito rápida. Sabemos que a interação, por mais cuidadosa que seja, gera um estresse no bicho, então parecia que eles ficavam ‘vermelhos de raiva’ e resolvemos estudar mais a fundo o comportamento”, conta a estudante.

O herpetólogo Alexander Mônico, responsável pelo grupo, levou os anfíbios para o laboratório e seguiu acompanhando os anuros nos dias seguintes. Depois de muito estudo e análise, a pesquisa resultou em um artigo científico escrito a seis mãos recentemente publicado em uma revista internacional que descreve o comportamento da espécie como polifenismo aposemático.

“Chegamos à conclusão que esses animais mudam de cor para parecerem venenosos e se protegerem de possíveis predadores. Ou seja, é um comportamento antipredatório. É uma pesquisa e uma descrição inédita”, explica o pesquisador.

O futuro agora requer novos estudos para novas descobertas. Segundo o pesquisador, é possível que este comportamento também aconteça nas outras espécies do mesmo gênero e quem sabe até em outras espécies da mesma família.

Fonte g1

Mostrar mais

Tradição Gaúcha

o melhor da cultura Gaúcha do Rio Grande e também notícias do Brasil e do mundo sempre trazendo o melhor da notícia..

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: